Category: Tecnologia


Por Daniela Lisboa

O Projeto Cidade Digital trazido para Cruz Alta em 2009 através do vereador Luiz Noé (PSB), por intermédio do deputado federal Beto Albuquerque terá a instalação das antenas já no próximo ano.

Cruz Alta foi uma das poucas contempladas com a ideia. A cidade digital é um projeto do governo federal que prevê a inclusão social. É um sistema de wireless público, que será instalado na cidade, proporcionando acesso à Internet de qualquer ponto. Beneficia a população como um todo, mas especialmente aqueles que não dispõem de acesso à rede em suas residências. E o projeto vai bem além do que o simples acesso à web. A intenção é criar na cidade uma rede de iniciativas sociais através deste sistema de comunicação.

O sistema de wireless público, que deverá abranger toda a cidade de Cruz Alta, gera expectativa na população. Para Cruz Alta foram disponibilizados R$300 mil do governo federal e o município dará uma contrapartida de 20% desse valor para ser investido. Ainda em 2009 a verba foi empenhada e o poder público municipal está dando andamento para o processo, sendo que em breve deverá realizar licitação para definir a empresa que instalará as antenas.

Por Mauren Sauer

As rádios estão aderindo à uma brilhante ação, ao unir integrar suas programações à Rede Mundial de Computadores — hoje um dos meios mais importantes para a propagação e divulgação. Até há pouco, somente as pessoas daquele município onde a Rádio se instalou ou na região podiam escutar a programação da Rádio. Hoje, esta possibilidade vai muito além ultrapassando fronteiras, em outros municípios, cidades, capitais, países.

Até por que as rádios estão oferecendo muito mais do que apenas clicar no site e escutar musica, e sim uma infinidade de interações, promoções, apresentação da empresa, sugestões e dicas dos ouvintes e também divulgação da empresa. A programação na Rede tornou-se ferramenta indispensável, onde a cada dia o número de ouvintes e adeptos cresce.

Outra novidade interessante a que as Rádios estão aderindo é a Webcam nos estúdios onde é feita a locução e apresentação dos programas. Segundo uma pesquisa feita pelas Rádios, os seus fiéis ouvintes têm muita curiosidade em conhecer e ver o rosto dos locutores, já que escutam a voz deles todos os dias.

Nem todos os locutores gostaram e aceitaram a ideia. segundo Marcos Barros que trabalha, há mais 30 anos em Rádio, o recurso gera muita exposição e se perde o sentido da locução em Rádio, pois segundo ele acaba a mágica que seria mexer com imaginário de quem escuta. Já o gerente de marketing Lucio Cardoso, considera efeitos positivos, agregando valor a locução e criando outro modo de se comunicar através de gestos, mensagens criando uma aproximação cada vez maior com o público ouvinte.

Divergências, ou não, são propostas modernas que vieram para incrementar um dos companheiros mais antigos do ser humano, que é o Rádio. Agora, afirmar se a proposta vai se consolidar é precipitado, só o tempo dirá.

– produtores apostam na tecnologia para escapar do prejuízo –

Por Isabeli Lopes

Com a previsão de La Nina e estiagem, os produtores da região, estão apostando no sistema de irrigação para não ter prejuízos nas lavouras ou, pelo menos, amenizá-los. De acordo com o Presidente da Comissão dos Irrigantes da FARSUL João Augusto Telles, há mais de 10 anos o Sistema de Irrigação vem sendo uma das ferramentas tecnológicas mais eficazes disponíveis para o produtor conseguir fugir dos problemas de estiagem. Somente no Rio Grande do Sul, já são mais de 60 mil hectares irrigados com pivô central, número este que vem aumentando consideravelmente.

“Cruz Alta é a região que tem a maioria das áreas irrigadas. Aproximadamente 85% das áreas com o sistema pivô central estão em Cruz Alta, Santo Augusto e Santa Bárbara do Sul e, agora, também Tupanciretã está começando a irrigar suas lavouras. Isso mostra que poderemos alcançar, em breve, os 200 mil hectares de área irrigada, sem danos ambientais. Isso é um ganho para a região, sinônimo de produção e rendo ao produtor”, explica Telles.

O agricultor ressalta que um bom sistema de irrigação deve oferecer a umidade necessária para que a relação ar/água do solo e a necessidade hídrica das plantas sejam supridas – e mantidas – o mais uniformemente possível. A irrigação aqui do Estado é complementar. “Temos períodos de falta de chuva, de 20 a 30 dias, então complementamos a agricultura com irrigação”, completa Telles.

A TI como aliada de Gestão

O desenvolvimento cada vez mais rápido de novas tecnologias de informação modificou as bibliotecas e os centros de documentação

Por Mauricio Rebellato

A Tecnologia da Informação é um conceito cada vez mais mencionado nas empresas, mas muitas vezes desconhece-se a importância da área. Chamada também de TI, as tecnologias da informação não incluem somente componentes de máquina. A TI pode ser definida como um conjunto de todas as atividades e soluções providas por recursos de computação. Na verdade, as aplicações para TI são tantas – estão ligadas às mais diversas áreas – que existem várias definições e nenhuma consegue determiná-la por completo.
De acordo com a acadêmica de Ciência da Computação Lidiane Petry da PUCRS, a tecnologia permitiu uma modificação na maneira de pensar e de agir dos produtores e consumidores. “A utilização da tecnologia nas organizações, permite uma relação mais estreita e permanente entre empresa e fornecedores, na medida em que qualquer pedido ou sugestão da parte da empresa é passível de ser atendido ou testado pelos fornecedores”, explica Lidiane.
Sendo a informação um bem que agrega valor a uma empresa ou a um indivíduo, é necessário fazer uso de recursos de TI de maneira apropriada, ou seja, é preciso utilizar ferramentas, sistemas ou outros meios que façam das informações um diferencial competitivo. As escolhas precisam ser bem feitas. Do contrário, gastos desnecessários ou, ainda, perda de desempenho e competitividade podem ocorrer.
A TI é cada vez mais comum no dia-a-dia das pessoas e das empresas. Tudo gira em torno da informação. Portanto, quem souber reconhecer a importância disso, certamente se tornará um profissional com qualificação para as necessidades do mercado. Da mesma forma, a empresa que melhor conseguir lidar com a informação, certamente terá vantagens competitivas em relação aos concorrentes.

Por Lucas Padilha


O teleprompter e as laudas estão com os dias contados. Ao menos é o que a popularização dos computadores de mão vem ameaçando sobre os tradicionais suportes utilizados por profissionais da comunicação audiovisual. A evidência está na tela da TV: noticiários estão aderindo aos portáteis, que apresentam inúmeros recursos na busca de ampliar o dinamismo dos apresentadores. Entre os benefícios, está a capacidade de armazenar textos, ausência de cabos e o acesso à Internet. Já dizia o velho ditado que tamanho não é documento. Afinal, trata-se de um aparelho que possui apenas 10 polegadas – menor que uma folha de papel.

Leonardo Bonesso, editor-chefe da TV Câmara de Cruz Alta, já se rendeu ao iPad

O jornalista Leonardo Bonesso é um dos profissionais que se renderam ao aparato. O editor-chefe da TV Câmara de Cruz Alta utiliza desde junho um iPad – modelo mais famoso entre os tabletes digitais – nos programas que apresenta e aprovou a nova aquisição. “É a tecnologia a favor da informação. No meu caso, isso ajuda na apresentação dos programas, através do acesso fácil e rápido à internet, ao mesmo tempo posso receber informações da própria equipe”, detalha.

Redes de TV tradicionais também estão utilizando o recurso em processo experimental. Os âncoras do canal a cabo SporTV não entram em cena sem estar com um desses em punho. Leonardo justifica o motivo dos tabletes serem os novos “queridinhos” de seus colegas jornalistas. “O principal motivo é a rapidez na busca da informação e o contato instantâneo com os telespectadores, onde através das redes sociais posso me comunicar com eles até mesmo durante o programa”.

Outro exemplo de profissional que interage em tempo real com o público é William Bonner, apresentador do Jornal Nacional. Minutos antes do programa, ele compartilha informações via Twitter e instantaneamente recebe o feedback. Ou seja, esse contato mais próximo com a audiência através de pequenos aparelhos é uma tendência mais que confirmada.

Por Ivana Dalmás


Os hackers são conhecidos por elaborar e modificar software e hardware de computadores, desenvolvendo novas funcionalidades ou adaptando antigas. De forma legalizada os hackers utilizam conhecimento para melhorar softwares. Já os crackers são aqueles indivíduos que praticam ou quebram um sistema de segurança. A expressão verdadeira para os invasores de computadores é cracker que designa programadores maliciosos e ciberpiratas que agem com o intuito de violar ilegal ou imoralmente sistemas cibernéticos.
Eduardo Marques, coordenador do núcleo de tecnologia de informação da Unimed Costa Oeste ressalta que a segurança dos sistemas de informação tem importância vital para as organizações e que várias dessas organizações já utilizaram ou, utilizam, hackers para efetuar a segurança dos sistemas informáticos e de comunicação.
Nos últimos dias, o site oficial da campanha do ex candidato à presidência José Serra (PSDB), foi invadido no começo da noite das eleições ao segundo turno, dia 31 de outubro. No topo do site aparecia uma caricatura de Serra, assemelhando o candidato ao personagem Sr. Burns, do desenho “Os Simpsons” e logo após o desenho os crackers deixaram uma mensagem.

Segundo o americano Chris Rouland, diretor da X-Force, o Brasil tem milhares dos melhores hackers do mundo e que nenhum governo ou empresa está livre de ser atacada por um deles. Diz ainda que o fato de ter protocolos de internet em sequência torna a web brasileira muito vulnerável à ações dos invasores virtuais.

Por Abel Elwanger

Avanços da tecnologia e novas linguagens preocupam a formação.

A linguagem adotada pelos usuários da internet, na maioria das vezes, os jovens, é chamada de Internitês –  ela já é uma realidade que ultrapassou as fronteiras da Internet. A preocupação é de como está sendo usada e até que ponto pode influenciar no aprendizado e na comunicação entre as pessoas. Essa novidade surgiu entre os usuários de chats de conversação, blogs entre outros meios de comunicação conectada.

No Brasil, cerca de 15 milhões de usuários trocam 500 milhões de mensagens por dia, através do Messenger (MSN), o comunicador instantâneo da Microsoft. O brasileiro adere fácil à tecnologia; é um povo muito aberto à comunicação – explica Priscyla Alves, gerente de produtos, comunicação e marketing da Microsoft para Brasil e América do Sul, segundo a página da UOL.

O Ibope divulgou em janeiro de 2010, que o internauta brasileiro continua sendo o campeão mundial em navegação, com uma média de 17 horas e 59 minutos, deixando para trás Estados Unidos, Japão e Austrália. Cada vez mais os jovens buscam respostas rápidas, proximidade com seus interlocutores e a expectativa de aproveitar o tempo em frente ao computador e, dessa forma, diminuir as palavras acaba sendo uma solução. A ansiedade por contato teria estimulado, assim, o hábito de escrever mensagens e a busca de novas formas de expressão ligeira e funcional.