Category: Comportamento


Por Ivana Dalmás

A moda infantil está cada vez moderna e estilosa. A criançada tem todas as oportunidades para andar de maneira confortável e ao mesmo tempo na moda. As grifes infantis lançaram a coleção do verão 2011 com muita dedicação, afinal as crianças de hoje gostam de escolher o que vão vestir. A moda do verão já apareceu em vários desfiles, mostrando-se repleta de roupas confortáveis e alegres.

As peças são simples, mas de muito bom gosto. Os temas vem variados desde natureza aos super-heróis. A coleção conta também com peças clássicas, para festas que exigem peças mais elaboradas, com estilo retro e ao mesmo tempo sem perder a inocência. Neste verão é possível que as crianças encontrem peças em cores pastéis, estampas e cores vibrantes. Porém, o destaque principal fica nos vestidos e conjuntos, e o jeans mais leve que foi destaque como grande aposta para o verão.

Adrianne Cardoso, empresária no ramo infantil em Tupanciretã, garante que as crianças terão inúmeras opções para estarem bem vestidas nesta estação. Ela revela que os desfiles mostram roupas desde mais discretas a aquelas típicas de passarelas. A empresária dá como exemplo a moda infantil da marca Carinhoso, que além de ter preço acessível, na coleção deste verão está cheia de cores e detalhes, com malhas leves e delicadas.

Ela destaca a presença da moda adulta nos modelos infantis: “As crianças estão cada vez mais exigentes e por isso a moda infantil se espelha nos adultos, procurando seguir a sua moda”. Vestidos com estampas delicadas e a combinação de texturas e detalhes românticos é a marca registrada para esta estação, revela a empresária.

Anúncios

Por Mauren Sauer

Palavra muita utilizada nos tempos em que vivemos — de tamanha importância que sai dos cursos preparatórios vocacionais e já faz parte do currículo das universidades que oferecem aos acadêmicos, conhecimento sobre este mundo e incentivar os futuros empreendedores. Vamos conhecer o que significa: empreendedor é o termo utilizado para qualificar, ou especificar, principalmente, aquele indivíduo que detém uma forma especial, inovadora, de se dedicar às atividades de organização, administração, execução; principalmente na geração de riquezas, na transformação de conhecimentos e bens em novos produtos – mercadorias ou serviços; gerando um novo método com o seu próprio conhecimento.

É o profissional inovador que modifica, com sua forma de agir, qualquer área do conhecimento humano. Também é utilizado – no cenário econômico – para designar o fundador de uma empresa ou entidade, aquele que construiu tudo a duras custas, criando o que ainda não existia.

Nesta definição, se percebe que , na realidade, o perfil do empreendedor é muito mais complexo do que se imagina. Então como podemos saber se temos ou não o perfil de empreendedor? São varias as características que o individuo deve possuir para se encaixar dentro do perfil empreendedor. Para tanto, a Psicóloga Consuelo Pasqualotto Poloni  — especialista em Gestão Empresarial — fala sobre algumas características que pessoa pode buscar desempenhar no seu dia- a dia para que se torne um empreendedor da própria vida. Consuelo afirma que as principais são: “aceitação do risco, ambição, auto-confiança, auto-motivação e entusiasmo, capacidade de trabalho em equipe, controle, criatividade, responsabilidade, determinação, flexibilidade, iniciativa, liderança, persistência, otimismo entre outras”.

Segundo dados divulgados no Brasil, apenas 14% dos empreendedores têm formação superior e 30% sequer concluíram o ensino fundamental. É o caso de Luiz Sauer que montou uma Pizzaria em Palmeira das Missões e afirma: “era mais difícil estudar naquela época, então, como não havia possibilidade e nem condições de estudar, fui trabalhar e tive a ideia de montar meu próprio negocio”. Este foi somente um exemplo dos muitos que tiveram, a iniciativa de empreender. Então para você que lê está matéria e se identificou com as características  “mãos à obra”, e aposte neste empreendedor que existe em você.

Bônus ou Ônus?

Consumidores tendem a criar mais dívidas utilizando o 13º salário

Lucas Padilha

Você já deve ter se perguntado como utilizar o 13º salário. “Nem vou viajar essas férias porque preciso pagar as contas que já acumulei pensando nesse dinheiro a mais”. A resposta do funcionário público André Luiz Machado é a mesma de milhares de brasileiros. Com a chegada do verão e das festas de final de ano, inicia também a temporada de despesas com presentes e viagens. Ou seja, a bonificação extra, que devia servir para retirar trabalhadores, aposentados e pensionistas do vermelho acaba se tornando uma dor de cabeça a mais. É o que confirma o economista Carlos Frederico Cunha. Segundo o professor da Universidade de Cruz Alta, já é tradição da maioria das famílias gastarem mais do que recebem. “A origem do 13º salário é bem clara: deve ser um ‘plus’ no bolso dos brasileiros. Mas a sua destinação está sendo invertida ultimamente”.

É claro que uma das funções desse direito de todos os brasileiros é estimular a economia através do consumo. Anualmente, são injetados R$ 102 bilhões apenas nas bonificações de dezembro. E os principais beneficiados são o comércio e o turismo, que recebem grande parte dos investimentos dessa época do ano. E apesar da estação mais quente do ano apresentar propostas tentadoras, o especialista sugere cautela na hora de gerenciar as finanças. “A estratégia é não concentrar os gastos em dívidas das férias, como viagens, compra de material escolar para os filhos e quitação de impostos. É recomendável que os trabalhadores prevejam o seu orçamento ao longo do ano. Isso aumenta o rendimento financeiro não só para pagar dívidas, mas também para consumir”, finalista o professor.

Por Isabeli Lopes

… mas a prática não é um hábito comum entre os cruz-altenses

As redes de supermercados da cidade, nos primeiros dias do mês sofrem um aumento considerável no número de clientes. O motivo, época em que as empresas efetuam o pagamento dos funcionários. Mesmo assim alguns consumidores acabam não comprando tudo o que precisam nesta data, por causa da pressa e da lotação dos mercados.

Segundo os clientes essa grande movimentação acelera as compras e detalhes importantes como a verificação da tabela nutricional dos alimentos e a data de vencimento acabam passando despercebidas. São poucas as pessoas que têm esse tipo de hábito. A mudança desse comportamento poderia melhorar a vida de muita gente, principalmente aqueles que sofrem de doenças como hipertensão e diabetes.

O consumidor Alfredo Müller prioriza comprar produtos que tenham embalagens ecologicamente corretas e por isso nem sempre observa a tabela nutricional dos alimentos, mesmo considerando extremante importante. “Priorizo pelo consumo de alimentos e embalagens ecologicamente corretos e a isso redobro a minha atenção, porém admito a importância da tabela nutricional e da validade”, diz Muller.

Já para outra consumidora, Márcia de Souza, o entendimento dos alimentos que são consumidos é extremamente importante. Por isso ela não dispensa uma atenção especial para a tabela nutricional. “Para que haja uma alimentação saudável a verificação da tabela é essencial, até por que algumas pessoas não podem ingerir determinadas substâncias que são usadas para a produção dos alimentos”, explica Márcia. Outro consumidor Luiz Cardoso, embora não tenha o hábito, acredita que esses cuidados devem ser seguidos em todos os segmentos de produtos, desde a linha de higiene até os produtos comestíveis.

Por Viviane Lara

Aos 10 anos de idade uma criança iniciava o sonho de ser cantor através da música clássica. Pouco tempo depois por curiosidade Eliandro Araújo sem perceber estava mudando o rumo de sua vida: a droga o acompanhou durante muito tempo adiando o desejo de cantar.

Assim como ele mesmo conta, os últimos sete anos foram os mais intensos da doença e, mesmo consciente do vício, não conseguia controlar a vontade de consumir, “era preciso um milagre para eu sair daquela vida” ressalta. Foi quando uma grave doença nos pulmões afetou sua respiração — entre a vida e a morte Eliandro conseguiu se recuperar e deixar a rotina destrutiva que vinha tendo até então.

Disposto a recuperar a sua vida o ex dependente químico volta ao sonho de menino e grava um cd com suas composições. Confira o depoimento onde ele fala o que a música representa na sua vida.

– Estudo aponta papel decisivo da rede na passagem da maturidade –

Por Bruna Castro

A Internet, definitivamente, chegou para ficar na vida dos jovens brasileiros. Um recente estudo desenvolvido pelo Portal Educacional revelou dados interessantes a respeito: 99% dos entrevistados, entre 13 e 17 anos, têm computador em casa e 55% destes conectam-se diariamente. Diante desta realidade, o projeto “Este jovem brasileiro”, que está na 6ª edição, buscou compreender o comportamento da juventude e refletir sobre assuntos cruciais à vida dos jovens.

Para isso, eles responderam, anonimamente, um questionário on-line referente a hábitos de uso da Web. Segundo o idealizador da pesquisa, o renomado psiquiatra Jairo Bauer, em entrevista ao jornal Correio do Povo, a rede exige uma série de cuidados e limites que não estão muito claros nem para os próprios jovens. Entretanto, para ele, não é o caso de controlar a vida dos jovens frente ao computador, mas sim de mostrar os riscos que existem.

A opinião do médico é partilhada pela pedagoga Michele da Rocha, que considera fundamental que os próprios jovens aprendam a criar filtros e a lidar com as diversas situações vividas na Internet de forma segura e responsável: “Trata-se de uma linha tênue, que separa atitudes maduras de fatores que possam comprometer a vivência dos adolescentes”, explica.

Jovens pautam suas vidas pelos acontecimentos da Web

A estudante Daniele Macuglia, de 15 anos, considera muito válida a iniciativa de pesquisar os hábitos virtuais dos jovens, principalmente, pois, “a partir disso, é possível encontrar uma harmonia até mesmo com os pais dentro de casa”. O projeto, realizado anualmente, trata de temas como família, valores, sexualidade e álcool – inerentes à passagem da maturidade – e ouviu, nessa edição, 10,5 mil alunos, de 75 escolas particulares de todo o país.

ALGUNS DADOS INTERESSANTES
Entre os participantes, 50% têm computador no quarto, 40% utilizam a Internet de duas a quatro horas por dia durante a semana; e 15% ficam conectados mais de oito horas.
20% dos pesquisados avaliam que usam a Internet acima do normal ou se acham dependentes.
17% enfrentam conflitos com os pais por causa do excesso de uso.
60% já usaram a Web como forma de conhecer pessoas; e 27% usaram as redes sociais para isso.
38% já fizeram, na Internet, amigos que trouxeram para a vida real; e 25% já “ficaram” com pessoas conhecidas por meio da rede.
7% dos pesquisados colocaram fotos ou filmes ousados na rede.

Por Leandro Lui

Crise de valores na relação aluno-professor

A relação aluno-professor está, a cada dia, mais abalada e tumultuada e, acaba sendo uma guerra desumana. As salas de aula hoje possuem de 30 a 40 alunos de todas as classes sociais, etnias, partidos políticos e religiões. Os professores têm de conviver com este contexto nos 200 dias letivos: de tentar ensinar quem não quer aprender.

“… infelizmente o comportamento dos alunos degringolou e muito. Os direitos adquiridos pelos alunos com a intenção de melhorar, estão sendo mal interpretados” foi o que revelou a professora Vera Balest. Ela ministra a disciplina de Língua Portuguesa no Colégio Estadual Blau Nunes de Santa Bárbara do Sul.

Quando questionada sobre quais os motivos que estariam levando os alunos a terem comportamentos inadequados, ela coloca a família e poder público como pontos centrais ao indicar que “…estes encarregaram os professores a serem, além de transmissores de conteúdos, a exercerem o cargo de conselheiro, amigos, enfermeiros, mãe, pai e psicólogos”.

A cada ano de eleições, sejam elas municipais estaduais ou federais, tem-se muitas promessas. Os candidatos prometem que melhorias nas várias redes de ensino irão acontecer. Sobre a situação do ensino público do país, Vera Balest relatou que “em termos de comportamento do corpo discente, a situação é caótica” e ainda complementa: “o respeito, direito mínimo de dignidade dos professores, está cada vez mais fora de moda”.

Tal comportamento dos alunos tem refletido na saúde dos professores. O nível, ou seja, a carga de estresse sobre os mestres tem feito com que cada vez mais os profissionais da educação entrem em laudo médico. Por fim, fica a ideia da professora Vera “… acredito que seria necessário cada instituição de ensino contar com um profissional na área da psicologia, pois além de diagnosticar problemas, eles apresentariam soluções”.

Calçados femininos prometem ser de muita cor na primavera verão 2010/11

Daniela Lisboa

Quando o assunto é calçado, boa parte do público feminino logo se interessa pelos variados modelos que vão se firmando como tendência para a próxima temporada. O período que antecede o verão, com um clima mais ameno e florido indica que chegou a hora de guardar as botas do inverno e se render as novidades em calçados para a próxima estação.

A promessa para a primavera verão 2010/11 é de muita cor nos pés das mulheres. E se tem um calçado que tem lugar de destaque no gosto feminino, é a sandália. Sempre relacionada com a personalidade e estilo da mulher, essa peça conquista o seu público e vem construindo uma relação cada vez mais forte, já que a cada temporada ela ganha mais espaço nas sapateiras femininas.

De acordo com Ana Paula Farias, proprietária de uma loja especializada em calçados femininos em Cruz Alta, a tendência para a próxima estação é bem ousada. Alguns desfiles e rascunhos vistos recentemente revelam algumas das principais características dos calçados mais adorados das mulheres para essa estação. As sandálias prometem arrebatar e despertar o desejo de compra, pela variedade de modelos e saltos. “Esse ano, os saltos estão ainda mais altos, com diferentes formas e espessuras. Os modelos variam desde os finíssimos, lembrando os Stiletto aos mais grossos, quadrados, plataforma e anabellas”, destaca Ana Paula.

Diferentes modelos chegarão às lojas e vitrines arrancando suspiros. Sensuais, as sandálias terão diferentes modelos que agradarão os variados gostos femininos. Coloridas nos sete tons do arco-íris, elas contam ainda com todo o glamour que strass e cristais oferecem para serem acessórios de destaque nos looks. “As cores que estarão em alta nos calçados na próxima estação são as cores vivas como goiaba, coral, ametista e jeans. Nos calçados em tons clássicos aparece detalhes em neon para quebrar a seriedade e dar um toque moderno”, afirma Ana Paula.

Para o dia-a-dia o conforto dos chinelos conquistará as mulheres também pelo visual mais atraente. Com muito estilo, esses simples acessórios chegarão em versões mais elaboradas que mantém as tradicionais duas tiras, mas as trazem com aplicações de paetês ou bordados.

Sapatos criativos e arrojados comprovam o empenho e criatividade dos designers que combinam humor, praticidade e tecnologia ao desenvolver as propostas para a estação. As tiras grossas ou finas, sendo elas tanto paralelas quanto cruzadas dão um efeito bem sofisticado ao modelo. “ As peep-toe, sapatilhas, clogs e tênis são mais para ser usados na primavera. Meia pata, sandálias e rasteiras no verão”, finaliza Ana Paula.